top of page

Alerta: saiba identificar medicamentos falsificados para tratamento de diabetes e obesidade




O uso destes produtos pode colocar a saúde em risco e trazer graves consequências



Lotes do medicamento Ozempic falsificado têm sido apreendidos em diversos países, inclusive no Brasil. Por aqui, entre junho e outubro deste ano, chegaram ao país lotes não identificados pelo fabricante. Também foram relatados casos semelhantes no Reino Unido e em outros países da Europa, com registros de pessoas internadas com quadros de hipoglicemia e convulsões em decorrência do seu uso.


Segundo o fabricante, os lotes falsificados contém concentrações alteradas do medicamento e trazem rótulos em espanhol.


Há também relatos de compras do medicamento em farmácias de manipulação, o que é proibido no Brasil. Por este motivo, não é possível comprovar a origem das moléculas utilizadas nestas produções, nem sua eficácia ou segurança.


Na Áustria, as falsificações levaram pacientes a internações, apresentando hipoglicemias graves e quadros de convulsão.


Atenção na hora da compra


O fabricante do medicamento e a Anvisa elaboraram algumas dicas para evitar a compra das versões falsificadas. Confira:


- Comprar sempre o medicamento em farmácias regularizadas

- Verificar se a caixa está lacrada, com contendo código de barras, lote de fabricação e prazo de validade

- Não adquirir produtos com preços muito abaixo dos praticados no mercado

- Exigir sempre a nota fiscal

- Verificar se existe bula em português


O que fazer em caso de dúvida?


Em caso de suspeita de falsificação, os produtos não devem ser utilizados sem antes entrar em contato com o fabricante para verificar sua autenticidade.


Caso seja comprovada a fraude, o caso deve ser comunicado à Anvisa, por meio do sistema Notivisa (profissional de saúde) ou por meio da Ouvidoria, utilizando a plataforma FalaBR (pacientes).


Ainda dá tempo de emagrecer para o verão?


A menos de um mês do início do verão, começa a corrida contra o tempo. Para muitas pessoas começou a contagem regressiva para chegar às férias de fim de ano com o peso ideal. Já se sabe, no entanto, que a perda de peso e um organismo saudável não são conquistados às pressas. Ao contrário, são fruto de hábitos saudáveis, uma rotina alimentar equilibrada e prática de atividade física regular.


Quanto mais tempo mantivermos essa rotina, melhores serão os resultados, explica o Dr. Daniel Lerario, médico endocrinologista, mestre e doutor pela Escola Paulista de Medicina.

“Nunca é tarde para começar e os resultados rapidamente aparecem. Mas não existem milagres”.


Um plano de emagrecimento extremamente desconfortável, com restrições exageradas, pode trazer fadiga, irritabilidade, mal-estar e desnutrição.


“A dificuldade em manter planos assim por muito tempo, faz com que a eventual perda de peso conquistada não seja consistente e duradoura, gerando sofrimento e frustração. É muito mais sensato seguir um plano dietético no qual a pessoa se sinta bem e que possa ser sustentável. Isso pode envolver tanto ajustes de hábitos de vida, quanto o uso de medicações, que ajudam no controle alimentar para aqueles que têm tal indicação”, explica.


De acordo com o especialista, portanto, não há uma fórmula ideal que se ajuste a todos aqueles que desejam perder peso. A melhor estratégia será aquela na qual a pessoa se sinta bem e obtenha resultados duradouros, ainda que o objetivo final leve um pouco mais de tempo a ser conquistado.


Medicamentos para emagrecer


Em alguns casos, podem ser receitados medicamentos para complementar o tratamento. Hoje, estão disponíveis no Brasil diferentes classes, todas seguras e com diferentes mecanismos de ação.


“Independentemente de agir no sistema nervoso central ou no sistema digestório, o principal mecanismo das medicações antiobesidade é a modulação da vontade de comer, ou seja, reduzem a fome ou aumentam a saciedade. Isso ajuda demais na aderência a um plano alimentar hipocalórico e costuma resultar em perda de peso mais consistente do que a observada apenas por intervenções comportamentais”, revela o Dr. Daniel.


Somente um médico especialista, conhecendo o paciente e após a realização de exames que possam ser necessários, poderá orientar sobre quais as melhores opções para cada caso. Por este motivo, remédios para emagrecer devem sempre ser usados com indicação e acompanhamento médico. O uso inadequado pode trazer inúmeras consequências e colocar em risco a saúde do paciente.

Comments


bottom of page