top of page

2024 promete novidades em medicamentos para diabetes, com possível benefício para a perda de peso




Novo medicamento já foi aprovado no Brasil e aguarda precificação pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos para chegar às prateleiras

 






Com a promessa de perda de até 30% do peso corporal, o novo medicamento que já está sendo comercializado nos Estados Unidos e já obteve a aprovação da Anvisa, no Brasil, pode revolucionar o mercado de medicamentos que levam à perda de peso.

Originalmente desenvolvido para o controle do diabetes, a tirzepatida, nome comercial do medicamento, já passa por estudos para o tratamento da obesidade, apneia do sono, esteatose hepática, doença renal crônica e insuficiência cardíaca.


O mecanismo de ação do medicamento foi desenvolvido a partir de estudos sobre os resultados com pacientes que foram submetidos à cirurgia bariátrica, explica o Dr. Daniel Lerario, médico endocrinologista, mestre e doutor pela Escola Paulista de Medicina.

“O medicamento ativa receptores das células relacionados aos hormônios GIP (polipeptídeo insulinotrópico dependente de glicose) e o GLP-1 (peptídeo 1 semelhante ao glucagon), que atuam no sistema digestivo.


Com a ativação destes receptores, diversos processos são alterados no organismo, facilitando o controle da glicemia, o controle do apetite, a regulação da digestão, entre outros.


Assim como os demais medicamentos para diabetes, que vem sendo utilizados com o intuito de perda de peso e outras finalidades correlatas, é preciso responsabilidade e orientação médica, pois há efeitos colaterais e riscos, como em qualquer tratamento medicamentoso.


Ou seja, são remédios muito caros e que podem ser ineficazes ou até mesmo perigosos se tomados sem acompanhamento médico. 

 

Entenda a diferença


Existem atualmente quatro principais classes de medicações auxiliares para emagrecer no mercado brasileiro. Confira quais são e como agem:

 

- inibidores da absorção de gordura: reduzem a absorção de calorias, porque parte do que se come na forma de gordura passa a ser eliminado nas fezes. Podem, no entanto, provocar diarreia.

 

- medicações inibidoras de apetite: provocam um aumento de neurotransmissores cerebrais (serotonina, noradrenalina, dopamina e outros), que levam a uma redução da fome e/ou da vontade de consumir alimentos mais calóricos, como doces. Tais medicações podem também ter algum efeito benéfico sobre o metabolismo.

 

- medicações anticompulsão alimentar: utilizadas nas áreas de psiquiatria e neurologia, para a redução da ansiedade e compulsividade pela comida.

 

- medicações de ação periférica: substâncias descobertas a partir de estudos com pessoas submetidas à cirurgia bariátrica. Auxiliam a perda de peso, sobretudo porque lentificam a digestão, permitindo a saciedade com menos quantidade de comida.

 

 

Acompanhamento médico é essencial


A necessidade de acompanhamento médico em um programa de emagrecimento é fundamental por diversos motivos. Em primeiro lugar, cada indivíduo é único, com características físicas, metabólicas e históricos médicos distintos.


“O que funciona para uma pessoa pode não ser adequado para outra. Um médico especializado pode avaliar a saúde geral do paciente, identificar condições médicas pré-existentes e estabelecer metas de perda de peso realistas e seguras”, explica Dr. Daniel.

Além disso, a perda de peso saudável não se resume a diminuir a ingestão de calorias, muito menos a prescrição de medicamentos isoladamente.


Outro aspecto crucial do acompanhamento médico durante um programa de emagrecimento é a monitorização da saúde durante o processo de perda de peso.

“Perder peso rapidamente ou de forma não saudável pode resultar em efeitos colaterais indesejados, como deficiências nutricionais, perda de massa muscular e problemas metabólicos”, finaliza.

Kommentare


bottom of page